EcoMúsica Brasil-Japão com Fábio Caramuru

Pianista e compositor apresenta concerto que integra as comemorações dos ‘110 anos da imigração japonesa no Brasil’

18 de novembro de 2018

18h15 | Abertura | Fukuda Cello Ensemble + demonstração de Shodô (escrita japonesa), com o especialista Elcio Yokoyama 

19h | Concerto | EcoMúsica Brasil – Japão 

Fábio Caramuru - Concerto EcoMúsica-Japão - 18 de novembro de 2018 - Auditório Ibirapuera

 

Prefeitura de São Paulo - Auditório Ibirapuera - Itaú Cultural

 

Música e meio ambiente estão intimamente relacionados no concerto “EcoMúsica | Brasil-Japão”, que o pianista e compositor Fábio Caramuru apresentará no Auditório Ibirapuera, como parte das comemorações dos 110 anos da imigração japonesa no Brasil, celebrando também os 62 anos da Aliança Cultural Brasil-Japão, instituição consagrada de educação e cultura, fundada pelo poeta Guilherme de Almeida.

Marca oficial dos 110 anos da imigração japonesa no Brasil, 2018

Na ocasião, o músico interpretará 20 composições de seus dois álbuns, ‘EcoMúsica | Conversas de um piano com a fauna brasileira’ (2015) e ‘EcoMúsica | Aves’ (2018), além de projetar três novos videoclipes: Harpia (lançado em agosto), Araras (lançado em setembro) e Hidorigamo (a ser lançado durante o concerto), todos dirigidos por Otavio Dias. A apresentação foi concebida em colaboração com a artista visual Cecilia Lucchesi, que criou videoartes a serem projetadas, bem como a direção de cena.

EcoMúsica | Harpia foi composta especialmente para três elementos: a ave de rapina, as Cataratas do Iguaçu e o coreógrafo/dançarino Ismael Ivo, que protagoniza o vídeo com Fábio Caramuru, concretizando uma “trilha imagética”, cuja ideia surgiu em 2016, em uma visita às Cataratas do Iguaçu, quando, o músico também tomou conhecimento do trabalho que vem sendo realizado para a preservação do pássaro, ameaçado de extinção no Paraná, no ‘Refúgio das Aves’: “A imponência da ave associada à grandiosidade das Cataratas do Iguaçu encontram perfeita ressonância com a sensibilidade do bailarino Ismael Ivo”, diz Caramuru.

Fábio Caramuru e Ismael Ivo - EcoMúsica Harpia -Cataratas do Iguaçu

Fábio Caramuru e Ismael Ivo – EcoMúsica Harpia -Cataratas do Iguaçu

Inteiramente filmado no Parque das Aves, localizado em Foz do Iguaçu, o videoclipe EcoMúsica | Araras mostra o pianista em meio às araras, interagindo com os sons das aves, gravados in loco. A música de Fábio Caramuru, criada especialmente para o vídeo, é baseada na obra “Il neige” (1902), escrita pelo compositor Henrique Oswald. No início, há a reprodução literal da icônica obra de Oswald, expandindo-se para a improvisação a partir do momento em que a câmera focaliza o voo das araras. Nas filmagens, foi utilizado um piano histórico Schiedmayer & Söhne (Stuttgart), de 1925.

Já em EcoMúsica | Hidorigamo Fábio Caramuru divide um momento especial de criação com a nipo-brasileira Hideko Honma, ceramista reconhecida pela beleza de suas peças utilitárias. O tema musical integra o CD ‘EcoMúsica | Aves’, lançado em abril deste ano no Brasil e no Japão, pelo selo Flau. Para esse terceiro videoclipe, foi utilizado um piano da marca japonesa Shigeru Kawai.

Completam o programa outros temas inspirados em aves do Japão:  Komadori, Zuakaaobato, Kakkou, Ikaru, Aobato, Kohakuchou, Chuushakushigi, Hototoguisu e outros em homenagem à fauna brasileira, como Bem-te-vi, Quero-quero, Tangará, Uirapuru, Anu-branco, Cigarra, Araras, Sapo-cururu e Sabiá.

Para adquirir ingressos para o espetáculo clique aqui.

Sobre Fábio Caramuru e o ‘Projeto EcoMúsica’

O pianista e compositor Fábio Caramuru (1956) especializou-se em Paris, com bolsa do governo francês, na década de 1980, com a lendária pianista Magda Tagliaferro. Ganhador de diversos prêmios, vem atuando regularmente no Brasil, Estados Unidos, Ásia e Europa, em concertos solo e com orquestra.  Após dedicar-se por muitos anos a uma carreira pianística convencional, realizando recitais e concertos com repertório tradicional, ampliou sua atuação a partir de um trabalho de pesquisa e criação de arranjos e gravações da música do compositor brasileiro Tom Jobim, em 1997, tendo realizado um mestrado na Universidade de São Paulo sobre o tema.

Criou, juntamente com o pianista Marco Bernardo, o duo ‘Brasil em Dois Pianos’, dedicado ao repertório brasileiro e passou também a desenvolver, desde 2003, um trabalho autoral diferenciado, com o lançamento dos CDs ‘Moods Reflections Moods’ e ‘Bossa in the Shadows’.

Destacam-se em sua carreira de solista concertos no ‘Europalia International Arts Festival’, com a Brussels Phillharmonic, com a Osesp (Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo) e Jazz Sinfônica, no Brasil, além de apresentações no Zinc Bar, em New York, o Jazz Club Moods, em Zurique, no Festival Internacional de Jazz de Havana, Cuba, entre outras.

Seu ‘Projeto EcoMúsica’, uma iniciativa artística pioneira, tem como base os sons da natureza. A música é criada sempre a partir do som de algum animal. Trata-se de um projeto contínuo, com a proposta de realizar gravações em áudio, em vídeo e produzir concertos ao vivo relacionados à natureza, unindo música e meio ambiente. A inovação do projeto é marcante, já que as criações não são meramente ilustradas pelos sons e imagens da natureza, mas sim concebidas a partir desses elementos, em um processo de verdadeira interação e sintonia.

O projeto já lançou os álbuns Ecomúsica | Conversas de um piano com a fauna brasileira’ (2015) e  ‘EcoMúsica | Aves’ (2018). O primeiro, como o próprio nome diz, traz conversas do piano com diversos animais encontrados no Brasil – aves, insetos e anfíbios. O segundo traz os sons de 20 diferentes aves que sobrevoam o território japonês.  ‘EcoMúsica | Aves’ foi totalmente inspirado na turnê que Fábio Caramuru fez no Japão, em 2017.

Nos concertos ao vivo, as estruturas e os motivos musicais dos áudios gravados são recriados, interagindo com as vocalizações dos animais e imagens projetadas em telão. Os vídeos EcoMúsica tem sido filmados em locações instigantes, como por exemplo as Cataratas do Iguaçu, montanhas do Rio de Janeiro e do interior do Brasil.O ‘Projeto EcoMúsica’ vem se destacando mundialmente, alcançando muitas visualizações nas redes sociais e atraindo um público bastante diversificado aos concertos realizados. A iniciativa promove aspectos abrangentes e de bastante relevância para o futuro do Brasil, uma vez que vem evidenciando de forma criativa a questão da preservação do meio ambiente e da cultura do país. Ao contar com a participação de renomados convidados especiais de outras áreas artísticas, além de crianças e adolescentes de comunidades carentes nos videoclipes, o projeto é aglutinador e revela a preocupação com questões educativas e sociais, indispensáveis para o desenvolvimento do Brasil.

 

Vídeos relacionados ao projeto ‘EcoMúsica’

 

 

 

 

Links com áudios

CD EcoMúsica | Aves – 20 faixas – Cultura FM : https://goo.gl/jVgjJt

Ou Youtube Music: https://goo.gl/4uQD2k

CD EcoMúsica | Conversas de um piano com a fauna brasileira – 14 faixas – Cultura FM –: https://goo.gl/ZL86m8

Ou Youtube Music: https://goo.gl/tjSGrK

 

Discografia de Fábio Caramuru

‘EcoMúsica | Aves’ (2018, Flau Japan)
‘EcoMúsica | Conversas de um piano com a fauna brasileira’ (2015, 2016 – Flau Japan)
‘Tom Jobim por Fábio Caramuru’ (2007, 2017 – Flau Japan)
‘Dó Ré Mi Fon Fon’ (2002, 2017, Flau Japan)
‘Bossa in the Shadows’ (2007 – Labor Records, NY)
‘Moods Reflections Moods’ (2004 – Echo)
‘Especiarias do Piano Paulista’ (1999 – Echo)
‘Tom Jobim Piano Solo’ (1997 – Master Class )

 

Atividades que precedem o concerto, no foyer do Auditório Ibirapuera, a partir das 18h15h

Fukuda Cello Ensemble - Ricardo Fukuda e violoncelistas em concerto - Instituto Fukuda

O Fukuda Cello Ensemble interpreta o ‘Bolero’ de Maurice Ravel, que fez parte do programa do  Concerto “Alma Latina” do grupo, realizado recentemente em São Paulo. Simultaneamente ao concerto, haverá uma demonstração de Shodô (escrita japonesa), com o especialista Elcio Yokoyama.

Fukuda Cello Ensemble foi criado em 2006 por Ricardo Fukuda, a partir do desejo de sua classe de alunos de tocar e se apresentar em grupo, fazendo parte dos Grupos de formação do Instituto Fukuda.

Ricardo Fukuda, também violoncelista, atua como coordenador artístico e maestro preparador , também integra o grupo. Formado por quatorze alunos de violoncelo do Instituto Fukuda, o Fukuda Cello Ensemble tem uma proposta dinâmica. Transita livremente entre o erudito e o popular, explorando as possibilidades técnicas, a ampla tessitura e os timbres dos violoncelos. O objetivo é o de ampliar e desenvolver a percepção da prática de conjunto.

Elcio Y. Yokoyama é arquiteto, urbanista, calígrafo em Shodô e empresário. Foi aluno do grande mestre de Shodô Nampo Kurachi durante 25 anos e é considerado seu discípulo. Iniciou a caligrafia japonesa aos 7 anos de idade e após 2 anos foi incentivado pelo Mestre para treinar aos domingos. Nesse ano completa 30 anos de estudo da arte milenar e há 13 anos participa de eventos sem fins lucrativos para divulgar a cultura japonesa, em especial, a caligrafia japonesa (Shodô).

 

SERVIÇO:

EcoMúsica Brasil-Japão com Fábio Caramuru

18 NOV 2018

Abertura da casa: 17h30

Abertura no foyer com:  Fukuda Cello Ensemble (Orquestra de Violoncelos), com Ricardo Fukuda e demonstração de Shodô (escrita japonesa), com o especialista Elcio Yokoyama: 18h15

 

Concerto EcoMúsica Brasil-Japão com Fábio Caramuru: 19h00

duração: 70 minutos (aproximadamente)

ingressos: R$ 30 e R$ 15 (meia-entrada)

[livre para todos os públicos]

informações: www.auditorioibirapuera.com.br

tel.: 11 3629-1075 ou info@auditorioibirapuera.com.br

As vendas serão realizadas nos canais da Ingresso Rápido e na bilheteria do Auditório Ibirapuera.

Horários da bilheteria:

Sextas-feiras e sábados, das 13h às 22h.

Domingos, das 13h às 20h.

Auditório Ibirapuera – Oscar Niemeyer

Desde 2011, o Auditório Ibirapuera é gerido pelo Itaú Cultural, em parceria com a Prefeitura de São Paulo. O Instituto e a Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo renovaram o convênio de gestão, vigente até 31 de dezembro de 2019. O trabalho inclui a gestão da Escola do Auditório, voltada à formação de música para estudantes da rede pública de ensino da capital. Esta parceria público-privada de cultura e formação já impactou mais de um milhão e meio de espectadores.

Capacidade: 806 lugares
Av. Pedro Álvares Cabral, s/n – Portão 2 do Parque Ibirapuera
(Entrada para carros pelo Portão 3)
Ar-condicionado. Acesso a pessoas com deficiência. Proibido fumar no local.
Estacionamentos / Transporte:
Estacionamento do Parque Ibirapuera, sistema Zona Azul – R$ 5 por duas
horas. Dias úteis das 10h às 20h, sábados, domingos e feriados das 8h às 18h

O Auditório Ibirapuera não possui estacionamento ou sistema de valet. O estacionamento do Parque Ibirapuera é Zona Azul e tem vagas limitadas. Sugerimos que venha de táxi ou transporte público.

 

Boaventura Comunicação
Auditório Ibirapuera – Oscar Niemeyer
Assessoria de imprensa I Comunicação e relacionamento

Cristiane Batista
cristiane.batista@terceiros.itaucultural.org.br
55 11 3629 1017
55 11 9.96640754

Sara Correia
sara.correia@terceiros.itaucultural.org.br
55 11 3629 1017
11 982053344