Russo vai se apresentar em cinco cidades a partir de domingo

João Luiz Sampaio, O Estado de S. Paulo
30 de maio de 2014

A passagem pelo Brasil do russo-israelense Boris Giltburg é prova do impacto que a vitória em um concurso internacional de prestígio pode ter na carreira de um pianista. Em pouco mais de uma semana, ele fará cinco concertos em cinco cidades e estados diferentes – parte de uma turnê que, desde o ano passado, o tem levado ao mundo todo.

Giltburg, prestes a completar 30 anos, venceu a edição de 2013 do Concurso Queen Elisabeth, realizado na Bélgica. Começa sua passagem pelo Brasil no domingo, quando abre, na Cidade das Artes, no Rio, a série Medalhas de Ouro do Piano, evento ligado ao Concurso Internacional BNDES de Piano. No dia 3, desembarca em Belo Horizonte, para concerto ao lado da Filarmônica de Minas Gerais. Em seguida, vem a São Paulo, onde faz recital, no dia 7, no Centro da Cultura Judaica; no dia seguinte, se apresenta em Curitiba, na Capela Santa Maria; e, dia 10, será solista ao lado da Sinfônica do Teatro Nacional de Brasília. Há conversas sobre uma apresentação também no Festival de Inverno de Campos do Jordão.

Combinados, os programas vão mostrar Giltburg às voltas com obras de Beethoven, Rachmaninoff, Schumann e Prokofiev. “Programas, às vezes, servem para explorar um compositor ou período; ou há uma peça que você quer tocar e as outras são colocadas em volta dela; em outros casos, a ideia é reunir um panorama interessante, que revele vários estilos e épocas. Na minha ida ao Brasil, foi esta terceira opção que me preocupou, com foco especial em dois grupos de compositores que são especiais para mim: os alemães e os russos”, diz o pianista em entrevista ao Estado.

Giltburg é fruto de diferentes culturas. Nasceu em Moscou, mas, ainda criança, mudou-se para Israel com a família. “Sou russo, israelense e judeu, uma mistura dos três”, diz. “Russo não apenas por ter nascido lá, mas porque, mesmo longe, cresci em meio à cultura russa: os livros, a poesia, a música, o idioma, tudo isso é importante para mim. Israelense porque este é o país em que vivi a maior parte de minha vida, onde estudei e onde estão minha família e meus principais amigos. E judeu porque é uma parte fundamental do que sou e sou muito feliz por fazer parte desta tradição.”

A música, conta o pianista, surgiu muito cedo em sua vida. “Sempre houve um piano em casa e me parecia quase natural que eu deveria tocá-lo”, ele lembra. “Eu pedi à minha mãe que me ensinasse quando eu tinha 5 anos e ela se recusou. Ela, minha avó e minha bisavó eram pianistas e minha mãe achava que já havia gente demais dentro de casa dedicada ao instrumento. Eu, ela dizia, deveria procurar outra coisa para fazer. Mas insisti, fiquei enchendo até que, enfim, comecei a ter aulas. Eu não sei se houve um momento especial em que me dei conta de que seria um pianista, eu simplesmente não parei de tocar desde o primeiro dia.”

Incomunicável. No Concurso Rainha Elisabeth, Giltburg venceu 11 candidatos de todo o mundo. O momento que mais o marcou, no entanto, foi a semana anterior à prova final. “É uma tradição antiga da competição: os finalistas são levados para uma casa nos arredores de Bruxelas, cada um com um estúdio com piano, para preparar as peças que serão tocadas na final. Além disso, recebemos pela primeira vez a partitura de um concerto que teremos que tocar, escrito especialmente para o concurso. Você chega à vila, entrega seu celular, computadores, tablet e só quando está incomunicável, sem contato algum com o mundo exterior, é que lhe entregam a partitura.”

Segundo ele, o clima era de camaradagem, acima de tudo, de troca de informações e experiências. A paixão pela música, garante, era o mais importante. E como ele definiria o papel da arte em sua vida? “A música é uma das maiores alegrias da existência. Como ouvinte, devoro quase tudo, de Palestrina e Bach às sinfonias de Brahms e Mahler, obras de Stravinski ou Shostakovich. Claro, há também um pouco de rock e jazz de tempos em tempos. E, como pianista, estar no palco, se um recital vai bem, é sentir como se você estivesse criando a música do zero, compartilhando-a com a plateia, embalado pelo silêncio da sala, pelo calor do público. É um prazer como poucos e me sinto com sorte. É um privilégio fazer isso para viver.”

Fonte: http://cultura.estadao.com.br/noticias/musica,pianista-boris-giltburg-faz-turne-pelo-brasil,1173589