Nas próximas semanas, o pianista e compositor Fábio Caramuru lançará seu novo vídeo EcoMúsica Amazônia | Uirapuru, uma lenda da floresta.

Inteiramente produzido durante o período de isolamento social, o vídeo, dirigido por Otávio Dias, com pesquisa e edição de imagens por Cecília Lucchesi e roteiro do próprio Caramuru, mostra o músico fazendo uma viagem na imaginação, transportando-se da sala de sua casa às profundezas da Amazônia brasileira, atraído pelo misterioso canto do lendário pássaro uirapuru, ave muito difícil de ser vista.

A música ao piano, de autoria e interpretação de Caramuru, sintoniza-se com o canto do pássaro e desenvolve-se em meio a um roteiro imagético onírico de florestas densas e espetaculares, durante o qual música e artista vão se ambientando progressivamente ao local, embalados pelo canto hipnotizante do uirapuru.

Em um momento no qual a preservação da Amazônia é foco das atenções mundiais, o vídeo traz uma mensagem de esperança de tempos melhores, quando o ser humano, a flora e a fauna poderão voltar a harmonizar-se em sintonia e equilíbrio.

A lenda do Uirapuru

EcoMusica Amazon forest uirapuru a legendary bird by Hudson Garcia and Otavio Dias video EcoMusica Fabio Caramuru

Um jovem guerreiro índio, chamado Quaraçá, morava com sua tribo na floresta amazônica e adorava passear pelas matas, tocando sua flauta de bambu. O som ecoava entre as árvores e silenciava a floresta. Todos gostavam de escutar aquela música.

Um dia, enquanto passeava pela tribo, Quaraçá apaixonou-se pela belíssima Anahí, que era casada com o cacique. O jovem sabia que o seu amor era impossível e foi tomado pela tristeza. De tanto sofrer, não mais tocou e parou de encantar a floresta.

Desesperado, resolveu pedir ajuda ao deus Tupã. Foi para o meio da e tocou por horas e horas. Tupã ficou sensibilizado com o sofrimento do jovem e resolveu ajudar, transformando-o em um pequeno pássaro colorido, de belíssimo canto, que recebeu o nome Uirapuru.

Naquele mesmo dia, o Uirapuru voou pela floresta, voltou à tribo, cantou e desapareceu por entre as árvores. E assim passou a fazer todos os dias, encantando a todos com seu forte e lindo canto. Toda vez que via a amada, ele pousava e cantava, deixando-a maravilhada com o som daquele pequeno e lindo pássaro.

Com o tempo, o cacique da tribo também ficou encantado com o canto Uirapuru. Queria que ele ficasse ali, para sempre. Tentou aprisioná-lo, mas perdeu-se na floresta e nunca mais voltou para a tribo. Ninguém mais soube do cacique.

A bela Anahí nem teve tempo para lamentar, porque o Uirapuru chegava ali todos os dias, com aquele canto lindo, pra consolar sua amada. Com seu canto triste acreditava que ela poderia descobrir quem ele era, e isso quebraria o encanto. Mas o que se sabe é que ele continua cantando nas matas até hoje.

O projeto EcoMúsica

O projeto “EcoMúsica” vem sendo desenvolvido pelo pianista e compositor Fábio Caramuru desde 2013. Trata-se de uma iniciativa pioneira, dedicada à natureza brasileira, unindo, de forma inventiva e instigante, música e sons da natureza, com uma importante missão de alerta para a preservação do meio ambiente. Com esse projeto, Caramuru já produziu os álbuns EcoMúsica Conversas de um piano com a fauna brasileira (2015) e EcoMúsica Aves (2018), os vídeos Cigarra, Tico-tico, Bem-te-vi, Harpia, Araras, Hidorigamo e Mata Atlântica (todos disponíveis no YouTube), os Concertos EcoMúsica no Auditório Ibirapuera, SESC, SESI, CCBB, Jardim Botânico do Rio de Janeiro e Sala São Paulo, além de turnês no Japão e no Canadá.

O estilo pianístico único de Fábio Caramuru é um misto de técnicas de composição clássica com um ar contemporâneo. Para o repertório EcoMúsica, os principais materiais temáticos são extraídos dos cantos dos pássaros e dos sons da natureza, moldados em elaboradas paisagens sonoras ao piano.