Obras de Tia Inah e Camargo Guarnieri / Projeto gráfico de Beth Bento

O Piano bem temperado de Fábio Caramuru
Terezinha Tagé

Jornal A Tribuna “Caderno Galeria”F3, 19 de novembro de 2000.Santos/SP

As contribuições para o resgate de nossa música do ponto de vista histórico e cultural não são muito comuns. Tanto no campo do que se convencionou chamar de composições eruditas quanto no que se considera como popular no senso comum, continuam sendo raras as oportunidades de conhecimento e fruição de sua beleza. Felizmente, artistas de rara sensibilidade como o pianista Fábio Caramuru apresentam seu trabalho para nos consolar e enriquecer.

Quem quiser confirmar estas afirmações basta ouvir as peças que ele interpreta no CD intitulado “Especiarias do Piano Paulista”. Trata-se de uma seleção de peças de dois nomes representativos do jeito paulista de ser brasileiro: Morzart Camargo Guarnieri e a Inah Machado Sandoval ( ou “tia Inah”). São compositores diferentes em estilo, porém complementares na sua condição de criadores de um universo particular em nosso país.

Nas palavras de Fábio Caramuru “A idéia de realizar estes registros sonoro surgiu de uma antiga vontade de homenagear dois contemporâneos muito queridos … Apesar de haver um grande contraste entre as duas concepções musicais – Tia Inah uma compositora intuitiva, feminina, essencial, e Camargo Guarnieri, complexo, viril e de grande sofisticação contrapontística – ambos têm em comum o fato de serem paulistas, contemporâneos e traduzirem com igual competência em domínios distintos, aspectos da alma musical de São Paulo”.

Esta consciência de estar guardando na memória cultural uma arte voltada para nosso autodescobrimento (ou auto-achamento como dizem os portugueses) como seres pertencentes a um conjunto de sentidos locais que nos integram em parâmetros mundializados, pontos para iluminar o planeta, faz deste artistas, um embaixador de nossa música a partir de seus projetos e de seu conseqüente sucesso. Como bom arquiteto, formação que ele também possui, Fábio planeja cada passo de suas interpretações construindo castelos de sons e harmonias em seu instrumento encantando: o piano.

O caminho percorrido por este intérprete brasileiro sempre foi pautado pela elegância, competência e simplicidade de alma, componentes de difícil integração entre os artistas que chegaram a um nível tão elevado de reconhecimento.

Além de inúmeros prêmios recebidos, como por exemplo o “Concurso Nacional Camargo Guarnieri”, entre outros, obteve em 1980 bolsa do governo francês para aprimoramento em Paris com Magda Tagliaferro. Em 1990 assumiu a coordenação artística dos projetos da Fundação Magda Tagliaferro e em 1991 foi contemplado com o “Grande Prêmio da Crítica” da APCA, na área da música. Em 1997 lançou o CD “Tom Jobim Piano Solo”, dedicado ao compositor carioca, com arranjos próprios. Este mesmo tema foi objeto de sua Dissertação de Mestrado em musicologia defendida na ECA/USP, sob a orientação do Professor Almicar Zani. Esta vida dedicada à música em todos os seus tons, já levou Fábio Caramuru a recitais e conferências na Alemanha, França, Estados Unidos, sempre divulgando a música brasileira, inserindo-se em contextos da cultura mundializada.

Este aspecto relativo à nossa produção musical está altamente representado no CD que reúne os dois criadores da arte paulista com estas “especiarias”, segundo o título que permitem ouvir um piano bem temperado. As composições de Inah Sandoval (nascida em 1906), que carinhosamente ficou conhecida como “Tia Inah”, trazem a marca de um mundo brejeiro, românticos, dos saraus paulistanos, das ruas movimentadas, dos quintais antigos onde as crianças brincavam e dos namoros nos jardins dos casarões. Uma forma de beleza brasileira que só estes ritmos e sons conseguem registrar para a história dos sentimentos e do imaginário que trazemos em nós. Esta riqueza nos alimenta e fortalece em tempos de apagamento e diluição de nossos valores. São gestos de resistência cultural. A leitura de Fábio contribue para esta causa. Ele recria os ritmos das valsas e chorinhos e declara “… procurei interpretar suas composições com aquela delicadeza e muito carinho que existem na pessoa e nas obras desta excepcional compositora.”

O outro artista homenageado neste Cd é Morzart Camargo Guarnieri (1907-1993). Foi um pesquisador muito importante de nossos ritmos durante toda a sua vida, desde a convivência com seu mestre Mário de Andrade, quanto muito jovem, passando por momentos decisivos na História da Música Brasileira.

As peças selecionadas neste CD demonstram a preocupação do ilustre compositor paulista em criar uma produção musical voltada para nossas raízes e símbolos de origem indígena, na tradição da alma cabocla e na estética originada nos ritmos africanos. Sua arte era plena de emoção “nacional e não nacionalista” conforme suas próprias palavras.

No conjunto de composições selecionadas entre estas especiarias paulistas, ainda encontramos peças onde o piano se faz acompanhar por outros instrumentos e intérpretes como a percusionista Chica Brother, o violinista Edson José Alves, a flauta de José Ananias, clarinete de Daniel Cornejo, o acordeão de Sérgio Bizetti que também assina os arranjos e a produção, além de um grupo técnica de excelência, sempre dirigido pelo próprio Fábio Caramuru.

Enquanto houver iniciativas deste porte nossa cultura estará preservada para integrar às riquezas da vida humana no universo.

http://www.entretextos.jor.br/textos.asp?idtexto=2&idmenu=3